quarta-feira, 4 de junho de 2008

Sol que me irradias!


Sol que me irradias!

Oh sol que me irradias,
E partes tão distante…
Quero ser no fim dos dias,
Como tu tão cintilante.

Para onde partes assim?
Porque fica a escuridão?
Não sejas teimoso enfim,
Responde só a mim…
Não me deixes em inquietação!

Sol que me irradias,
E partes tão gracioso…
Era assim que tu querias,
Deixar-me espirituoso?

Fiquei sem resposta,
Mas registei o momento
Para quem aprecia e gosta…
Aqui deixo de presente.

(eu autor)

3 comentários:

manuela azevedo disse...

esta foto esta espectacular.gosto muito das cores mas principalmente dos teus poemas eu sempre disse que tinhas uma veia poética. parabéns

Emanuel Azevedo disse...

Obrigado Manuela minha linda esposa. Tu és a razão da minha inspiração. Depois de quase 20 anos de casados amo-te como no principio. Não mais ainda.

Remus disse...

Bem... o que dizer?
Simplesmente um momento mágico que foi valorizado pela forma como o captou.